Histórias U.DREAM .5

06 Março 2016

Chegar a uma cidade diferente, a uma universidade com milhares de alunos cheios de vontade de fazer a diferença e receber como resposta à pergunta “Olá, já conheces a U.DREAM?” um simples “Não, o que é isso?” é uma porta aberta para algo mágico. Levar a U.DREAM a Braga foi exatamente isso para mim: mágico. Conhecer centenas de pessoas com imensa vontade de saber mais, de fazer mais, de serem mais e perceber que lhes vou apresentar uma coisa que pode mudar a vida delas é avassalador.

Às vezes, depois de dias a correr de reunião em reunião, de noites mal dormidas e de reviravoltas que nos fazem duvidar de nós próprios, é difícil lembrarmo-nos que todos os nossos esforços, por mais pequeninos que sejam, têm como objetivo deixar alguém mais feliz. Ver a reação de pessoas que nunca ouviram falar da U.DREAM relembrou-me do quão bonito é o meu trabalho e da sorte enorme que tenho em poder ajudar a mudar o mundo, dia após dia.

Os dias que passei em Braga, por entre bancas, campanhas de rua, conferências e apresentações em aulas foram lembretes de que o impacto que temos é real, porque 2 minutos a ouvir falar da U.DREAM eram suficientes para que qualquer pessoa ficasse presa às nossas palavras e com uma enorme vontade de pertencer a este grupo de “loucos” que acreditam que podem mudar o mundo. Foram dias cansativos, mas aprendi tanto, com algumas das pessoas mais incríveis que conheço, que dizer que valeu a pena é pouco.

Quando digo às pessoas que senti que Braga está mesmo à nossa espera, à espera de entrar neste ciclo de mudança, recebo sempre olhares de dúvida, mas a verdade é que foi essa certeza que voltou comigo para o Porto. Se Braga mudou com a nossa presença, eu própria voltei para casa uma pessoa diferente, com a certeza de que estamos a mudar o mundo, uma cidade de cada vez.

Podemos estar a crescer, mas o nosso sonho? Esse continua a ser o mesmo, ver-te sorrir!

Mafalda Queirós Costa - Recursos Humanos

Partilhar